25 de fevereiro de 2009

O Parto da Leonor

Tudo começa a 18 de Fevereiro, fui à consulta com o meu obstetra que não escondeu o seu espanto por ainda estar com a fadinha lá dentro, fez-me o tão "temido" toque, que a mim não doeu absolutamente nada, vim embora com indicação que se até sexta, dia 20, não nascesse teria de ir ao hospital visto que faria as 40 semanas. Nos ultimos dias já vinha a ter algumas contrações, algumas sem dôr e outras um pouco dolorosas, aproveitava estes momentos para fazer agachamentos e balancear de um lado para o outro, sentia-me bem assim e tinha lido que faria bem para a descida do bebé.
Saí do consultório e caminhei um pouco, aproveitei que tinha um shopping perto , subi e desci as escadas dos andares, assim que comecei a sentir dores vim para a casa, as dores intensificaram-se, á noite só me sentia bem de cócoras, por volta das 23 deitei-me e entretanto passaram, acordei por volta da uma da manha e mais dores, desta vez bem fortes, de 6/6 ou 8/8min. ,mas muito irregulares, estive assim duas horas quase, decidi deitar-me mais uma vez e adormeci. Acordei de manhã bem, sem dores, eu já pensava que esta fadinha não queria sair tão cedo, fomos tomar café de manhã e depois passear para a praia, tive algumas contrações fortes mas nada que não aguentasse, além disso eram muito espaçadas. Depois do almoço, mais uma vez fui subir e descer escadas aqui no prédio( já era um hábito) e dar uma volta a pé, cheguei a casa e tive uma cólica forte e saiu um bom pedaço de rolhão, desta vez não tive duvidas do que seria, logo a seguir começam as contrações fortes de 15/15min. depois de 10/10min, eu balanceava o corpo inclinada para a frente acalmava a dôr, o pai ainda foi trabalhar, mas mal chegou voltou para trás, porque decidi ir até hospital.
Quando lá chegamos as "benditas" começam a cessar e eu já arrependida por ter ido, por volta das 17h chamam-me para o CTG, eu explico á enfermeira que as contrações estão muito espaçadas e quase não tenho dôr, até me sentia culpada por ter ido, de facto só acusou 2 fortes e algumas fracas, a enfermeira diz-me que não são contrações de trabalho de parto. Mandam-me aguardar na sala de espera para ser examinada pela médica, comentei com o meu marido que o mais provavel era irmos embora, voltam a chamar-me para o exame, primeiro foi uma médica de internato que me fez o toque diz que tenho 2 dedos de dilatação, a médica que estava a "supervisionar" pergunta-me se eu achava que estava em trabalho de parto, respondi-lhe que quando estava com contrações que achava que estava em TP por serem muito fortes, mas que depois passavam e eu deixava logo de ter essa ideia. Para confirmar esta médica fez-me tb o exame de toque e com algum espanto vira-se para a outra médica e diz que estou com 5 para 6 dedos de dilatação, fizeram-me 4 toques para confirmar e ficaram admiradas com estava eu ali sem dores, claro que depois destes toques as contrações vieram em força e em curto espaço de tempo já estavam de 2/2 min, eram umas 18:30 qd avisei o marido para ir buscar as malas que a filha estava quase a nascer. Permaneci o tempo todo em pé, sempre que tinha uma contração imaginava que estava a subir um monte ou concentrava-me num aviso escrito da máquina de CTG até levar epidural por volta das 19:15, este método ajudou-me a superar bem a dôr das contrações. Depois da anestesia estive deitada, pedi à enfermeira para rebentar a bolsa, queria que o TP continuasse a evoluir bem (já me bastaram as 12h do parto da Inês), por volta das 20 e pouco disse ao meu marido que as contrações estavam a doer e tinha a sensação de estar a evacuar, pedi-lhe para chamar a enfermeira queria o reforço da epidural, mal ela chega e verifica a dilatação pede-me para puxar que estava na hora, ainda perguntei pelo reforço e ela diz-me que não vale apena, as dores são para a bebé nascer. Ao fim de uns puxões e com a ajuda do papá, que mais uma vez foi o meu braço-direito, a Leonor nasceu ás 20h45m :)
Foi um parto óptimo, o mais positivo foi ter feito a maior parte da dilatação em casa, com liberdade de movimentos, mesmo no hospital não fiquei ligada ao ctg, o que permitiu poder estar em pé e balancear-me á minha vontade, conforme me dava mais conforto. O menos positivo ter estado deitada na altura da expulsão, só pensava que assim não conseguia colaborar tão bem, tinha preferido mil vezes ter estado de pé ou cócoras, e a episiotomia que mais uma vez não me livrei dela.
Foi um dia muito feliz, um dos melhores momentos da minha vida!!!!

PS: Obrigada a todos pelas felicitações :)

11 comentários:

scas disse...

aiiii que emoção! Parabéns minha querida, MUITOS parabéns! Um beijo enorme

Liliana disse...

Fico muito feliz que tenha corrido tudo bem e mais uma vez muitos parabéns a todos e muitas felicidades...

Mil beijinhos grandes e uma boa semana...

Anónimo disse...

que lindooo :D

Parabens e tudo de bom para os 4

Marta

mummy turtle disse...

Parabéns! Gostei muito do relato do teu parto :)
Beijinhos
dulce (du2)

Sara disse...

Que bom!! Daqui a uns anitos quando tiver outro filho/a espero que seja assim!! Porque da Yara tambem estive praticamente um dia para fazer a dilatação!!

Bjokas e muitas felicidades para os 4

Celine disse...

O parto optimo!! BEijocas para as duas princesas e para ti amiga!!

Anónimo disse...

è de facto um momento unico.
Toda a dor desaparece mal vimos as nossas almas.
Felicidades aos pais, a irmã e parabéns pelo rebento novo
Viva Leonor
XPTO

Sónia e MI disse...

Que parto bonito, que bom!!
Muitas felicidades e tudo de bom para vocÊs!

PARABÉNS!!
:))))))))

Maria Pereira disse...

Sabe tão bem ler estas descrições para mais tarde recordar...

Mudamos de casa agora estamos em

www.era1xeu.blogspot.com

e aguardamos a tua visita

Mil beijocas felizes

SCAS disse...

estamos à espera de notícias vossas!! estão tds bem? como é q a pipoa maior está a reagir à pipoca mais pequena? e a mãe com as duas? beijinhos, com muito, muito carinho

Liliana disse...

Olá Linda!!!
Ainda bem k correu td bem.. agora uma foto da princesa!!! hihihihi só para matar a curiosidade aqui das madrinhas virtuais!!??
Jokinhas Grandes